Notícias

29 de maio - Dia Mundial da Saúde Digestiva


Data de Publicação: 26 de maio de 2022


29-de-maio-dia-mundial-da-saude-digestiva-2

Mobilizar e orientar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce das doenças do aparelho digestivo: foi com esse propósito que a Organização Mundial de Gastroenterologia (World Gastroenterology Organisation - WGO) instituiu o Dia Mundial da Saúde Digestiva – 29 de maio.

A WGO selecionou o câncer colorretal para marcar a campanha de 2022. Esta patologia apresenta incidência anual de aproximadamente 1 milhão de casos, sendo a segunda principal causa de morte relacionada ao câncer no mundo. No Brasil, o câncer colorretal é o terceiro mais incidente na população. São, aproximadamente, 40 mil novos casos diagnosticados por ano. Conforme dados estimados pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), a incidência é de 9,1% entre os homens e de 9,2% entre as mulheres.

Os principais fatores de risco são história familiar de câncer de intestino, idade (acima de 50 anos), excesso de peso, sedentarismo, tabagismo, consumo excessivo de álcool, alimentação não saudável e doenças inflamatórias intestinais. Neste contexto, o nutricionista apresenta papel fundamental, atuando na prevenção dos fatores de risco potencialmente modificáveis, bem como no tratamento da doença. 

 Sabe-se que um padrão alimentar pobre em fibras e com alto consumo de alimentos ultraprocessados, excesso de carnes vermelha e processadas, tais como salsicha, presunto, mortadela, peito de peru, blanquet de peru, linguiça, bacon e salame, têm sido fortemente associados a maior risco para este tipo de câncer.  Estudo que avaliou quase 500 mil pessoas apontou um aumento de 19% no risco de câncer colorretal para cada porção de 25g de carne processada por dia (equivalente a 1 fatia de presunto). A carne processada recebe diversos aditivos com o objetivo de realçar o sabor e aumentar o tempo de conservação. Dentre os aditivos, os conservantes nitratos e nitritos estão associados ao aumento no risco de desenvolvimento de câncer colorretal. O álcool também foi associado a um maior risco: o consumo de cerca de 250ml de cerveja por dia aumentou o risco de câncer de cólon em 8%. Em contrapartida, evidências crescentes apontam que quase metade dos casos de câncer colorretal podem ser prevenidos por meio de um estilo de vida saudável adotando-se as seguintes medidas:

 - Mantenha-se dentro da faixa de peso saudável conforme a sua faixa etária;

- Mantenha-se fisicamente ativo;

- Evite fumar e consumir bebidas alcoólicas em excesso;
-
Evite o consumo de alimentos ultraprocessados: descasque mais e desembale menos;

- Reduza o consumo de carnes vermelhas e evite carnes processadas (dica: substitua o presunto/salame/peito de peru do sanduíche por frango desfiado, atum ou ovo cozido);

- Introduza peixes na sua alimentação pelo menos 3 vezes por semana;

- Priorize alimentos in natura e minimamente processados;

- Inclua fibras na sua alimentação. A recomendação diária para um adulto saudável é de 25g a 30g.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza o consumo diário de 400g de frutas e vegetais (equivalente a 5 porções ao dia), além de incentivar o consumo de gorduras insaturadas que podem ser encontradas em peixes, oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas) e azeite de oliva em substituição às gorduras saturadas (carnes com gordura, óleo de palma, óleo de coco e banha) e às gorduras trans produzidas industrialmente e adicionadas aos alimentos como nuggets, macarrão instantâneo, bolachas recheadas e salgadinhos.

Neste sentido, o padrão de dieta mediterrânea vem ganhando destaque por demonstrar associação inversa com a incidência de câncer colorretal. Esta dieta é baseada nos hábitos alimentares de países mediterrâneos com alto consumo de frutas, hortaliças, oleaginosas, grãos integrais, peixes, ovos, laticínios, além de utilizar o azeite de oliva como fonte predominante de gordura.

Lembre-se sempre de consultar com um nutricionista. Este é o profissional habilitado para elaborar um planejamento alimentar de acordo com as suas necessidades individuais.

Fontes consultadas:

- World Gastroenterology Organisation

- Instituto Nacional de Câncer (INCA) – Ministério da Saúde

- Bradbury KE, Murphy N, Key TJ. Diet and colorectal cancer in UK Biobank: a prospective study. Int J Epidemiol. 2020;49(1):246-258.

- Chan DS, Lau R, Aune D, et al. Red and processed meat and colorectal cancer incidence: meta-analysis of prospective studies. PLoS One. 2011;6(6):e20456.

- Gianfredi V, Salvatori T, Villarini M, et al. Is dietary fibre truly protective against colon cancer? A systematic review and meta-analysis. Int J Food Sci Nutr. 2018;69(8):904-915.

- Yuan Zhong, Yan Zhu, Quanpeng Li, et al. Association between Mediterranean diet adherence and colorectal cancer: a dose-response meta-analysis. The American Journal of Clinical Nutrition. 2020;111(6):1214–1225.

 Nutricionista Carina Andriatta Blume CRN-2 10148

Doutora e Mestre em Ciências Médicas - Endocrinologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS

Especialista em Nutrição Clínica com ênfase em Doenças Cardiovasculares, Diabetes e Obesidade pelo Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul

Atua como nutricionista clínica no Instituto do Aparelho Digestivo (iaD) de Porto Alegre/RS